ESTA FIRMA FOI FUNDADA EM 31-12-2004.

sexta-feira, fevereiro 27, 2009

Será que me apreendem o blog?

Transcrevo:

23.02.2009 - 19h24 Lusa
A PSP de Braga apreendeu hoje numa feira de livros de saldo alguns exemplares de um livro. A polícia considerou que o quadro do pintor Gustave Courbet, reproduzido na capa dos exemplares, era pornográfico, adiantou uma fonte da empresa livreira.António Lopes disse que os três agentes policiais elaboraram um auto no qual afirmam terem apreendido os livros por terem imagens pornográficas expostas publicamente. O quadro do pintor oitocentista - tido como fundador do realismo em pintura - expõe as coxas e o sexo de uma mulher, sendo, por isso, a sua obra mais conhecida. Pintado em 1866, está exposto no Museu D'Orsay em Paris.
A imagem:

De facto, os diligentes agentes da ordem, tinham toda a razão. Isto não são coisas que se exponham, ainda que tendo origem numa obra de arte.Aliás, este pintor, tinha uma mente algo preversa, pois, pequisando sobre a sua obra, encontro outras imagens chocantes:

Não sei porquê (ou se calhar sei), veio-me à memória o facto de, nos tempos da polícia política da ditadura, esta impedir os estudantes de medicina presos de terem consigo livros de anatomia, por conterem "imagens pornográficas"...

A PSP, depois, meio envergonhada pelas reacções que, naturalmente, não se fizeram esperar, acabou por fazer marcha atrás, dar o dito por não dito e devolver os livros apreendidos. Mas o mal já estava feito. E há antecedentes do tipo no historial recente da corporação.

Entretanto, espero que as autoridades não dêm conta deste post, se não ainda me apreendem o Peciscas...

Enfim, ao que chegámos!

Etiquetas: ,

quinta-feira, fevereiro 26, 2009

Fado da crise

Mais que fado é fadário
a crise que nos domina.
São as contas de um rosário
de reza que não termina.

Nasceu já nem sei onde,
aperta como um garrote.
Quem a criou bem se esconde
e sacode o capote.

Dizem que a crise é fatal
neste tipo de sistema.
Mas se é assim afinal,
mudem lá de teorema.

Quando a vaga está à solta
só se safa o tubarão.
Volta e meia, meia volta,
quem paga é o mexilhão.


Letra - António Peciscas
Música - a de uma fado tradicional que calhe bem aqui, por exemplo o Mouraria ou o Corrido

Etiquetas: ,

quarta-feira, fevereiro 25, 2009

Vejam só o nível literário

Como veio nos jornais, a Directora Regional de Educação do Norte, obrigou os professores do Agrupamento de Paredes de Coura a participarem no desfile de Carnaval com os alunos ( o que fizeram apresentando-se amordaçados e de correntes nos pulsos), actividade que tinham, em Conselho Pedagógico, decidido suspender, tendo em conta a sobrecarga de trabalho actualmente exigida nas escolas, para cumprimento de uma extensa mancha de teias burocráticas.
Mas, para lá do que representa esta atitude da representante do Ministério, o que aqui quero mostrar é a "pérola literária" que constitui o ofício enviado ao Agrupamento, para comunicar a decisão. Leiam (sobretudo as partes que eu sublinho) e pasmem-se.
Como é que pode, uma dirigente superior de um Ministério da Educação, subscrever uma prosa com tal falta de qualidade e, em certos passos, quase indecifrável?A Senhora Directora, haveria, depois, de desvalorizar a situação dizendo, primeiro, que os professores não foram obrigados a participar no desfile e que tudo isto fora, "coisas de Carnaval". Será que nestas "coisas" inclui o seu próprio ofício? Nem admissível a um aluno médio do 5º ano de escolaridade, quanto mais a uma responsável pela tomada de decisões educativas?

Como é que pode?Pode, porque a nomearam.

E nomearam-na, porque... tem cartão, claro!

clicar na imagem para aumentar

Etiquetas: , ,

segunda-feira, fevereiro 23, 2009

Para não deixar de falar de Carnaval...


Desculpem lá eu não falar muito do Carnaval.

É que esta época não me diz grande coisa. Nem sequer por causa do feriado, pois já estou aposentado.

Mas, para quem gosta, aqui ficam os votos de que se tenham divertido (ou que ainda o façam se forem a tempo...) e, pelo menos, por umas horas, tentem esquecer as crises e as outras chatices da vida.

Etiquetas: ,