ESTA FIRMA FOI FUNDADA EM 31-12-2004.

terça-feira, abril 24, 2007

Os contra-poderes da Educação

Como todos bem sabemos, temos, no noso país, montes de problemas para resolver.
Tenho, entretanto, para mim, que muitos desses problemas poderiam ser ultrapassados através da Educação.
E não digo isto apenas porque trabalhei nessa área durante longos anos.
Mas, muita gente, quando fala em Educação, está fundamentalmente a pensar em escolas.
Ora, embora as instituições escolares sejam determinantes nos processos educativos, estão longe de poder resolver todas as carências detectadas nessa área.
Durante a minha carreira profissional, deparei-me com inúmeros contra-poderes, que, na realidade, inviabilizavam as mensagens educativas que ia tentando passar para os meus alunos.
Contra-poderes que vinham das mais variadas direcções.
A começar pelos meios de comunicação onde são veiculados, muitas vezes (acredito que de forma não deliberada), valores e atitudes que entram em contradição com aquilo que lhes pretendemos incutir.
Depois, as própria famílias, com enorme frequência, "não jogam o mesmo jogo" dos professores e educadores.
Um exemplo: adiantará muito, nas escolas, chamar a atenção dos jovens para as regras básicas da segurança rodoviária, quando vemos, diariamente, mamãs e papás que levam os filhos à escola e abrem as portas das viaturas, do lado da faixa de rodagem, de modo inopinado, para as criancinhas sairem?
Remato com um caso que se passou comigo há uns anos.
Leccionava Ciências da Natureza e, no âmbito do programa, tinha de falar nas qualidades de uma água poável.
Então, para ilustrar alguns dos cuidados a ter, levei para a aula e distribui fotocópias de um aviso da Junta de Freguesia, que referindo-se a uma fonte que muitos cidadãos utilizavam, alertava para o facto da água estar inquinada e não poder ser utilizada na alimentação.
Pois, na aula seguinte, uma das minhas alunas veio ter comigo e disse-me algo como:
-Ora, eu falei lá em casa daquela história da fonte e o meu pai respondeu que o professor não sabia no que estava a falar, pois toda a vida tinha bebido àgua daquela fonte e não lhe tinha acontecido nada...
Sendo assim, que fazer?

Etiquetas: