ESTA FIRMA FOI FUNDADA EM 31-12-2004.

quarta-feira, junho 25, 2008

Acertei na previsão !

Há não muito tempo, falava aqui sobre as provas de aferição de Matemática realizadas aos alunos dos 4º e 6º anos.
E, lá para o fim do post fazia uma previsão:

Com um teste deste grau de dificuldade, não será arriscado prever que, lá mais para diante, se vão apregoar loas à acção do ministério.

Não era muito difícil acertar.
Os resultados agora anunciados, com toda a pompa e circunstância pela Ministra, aí estão:

"Apenas" 18,3% dos alunos tiveram negativa no teste (contra 0s 41% do ano passado).

Ou seja, de um ano para o outro, os resultados negativos desceram para menos de metade...O que significa que o sucesso... mais que duplicou!
E não era de esperar outra coisa, dada a facilidade da quase da totalidade das questões apresentadas aos alunos.
A título de exemplo, deixo aqui alguns fac-simile (se necessário clicar na imagem para aumentar):



Na questão que se segue, o aluno teria de efectuar o complicadissimo cálculo de 100X100 (e poderia usar calculadora...)

Mesmo as pessoas para quem a Matemática não será a ciência preferida, não deixarão de concordar que se trata de qustões simples, para alunos que já têm 6 anos de aprendizagem da disciplina.
É claro que a Ministra tentou rebater as críticas que desde logo se ouviram, e que referiam a extrema facilidade da globalidade do teste, como razão essencial que justificava tão radical melhoria de resultados. E disse esta coisa espantosa: "Só 5% dos alunos consegue resolver a totalidade do teste".
Quem sabe, minimamente, construir um teste, consegue dissimular a facilidade, colocando uma ou outra pergunta menos acessível no meio de uma floresta de elementaridades.
No caso desta prova, para a mim (e para muitos outros colegas) seria esta a questão que obrigaria a um pouco mais de raciocínio (mas com cálculos ridiculamente elementares, ou seja 20X5, desde que se descobrissem as dimensões desejadas):


Quem trabalha em Educação, sabe bem que não se conseguem melhorias deste tipo de um ano para o outro. Aliás, no ano passado, a maioria dos alunos submetidos a estas provas estava a concluir o 5º ano, já com um ano de aprendizagem deste programa.
E arrisco-me a fazer outra previsão: do que já veio a lume sobre os exames de Português do 9º ano, se calhar também vamos ter melhorias significativas nesta área.
É por essas e por outras que eu digo que até um mero exame escolar pode ser uma arma política.



PS - Já depois de ter escrito este post , tive conhecimento da prova do exame de Matemática do 9º ano. O cenário de incrível facilitismo, repete-se. Há, designadamente questões que se resolveriam com toda a facilidade, com uma simples contagem pelos dedos.Quem quiser confirmar vá aqui
Assim sendo, esperem-se espectaculares "melhorias" nestes alunos(14/15 anos) que concluirão a escolaridade obrigatória. Eles aí estarão nas páginas dos jornais dentro de dias.
E, pelo que li, algo de semelhante se passará com os exames de Matemática do 12º ano.

Etiquetas:

1 Comments:

Blogger Andreia do Flautim disse...

Bem, bastava um pouco de bom senso!

11:38 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home